Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Buscar  



(73)999234166

Hora Certa
No Ar
Musical com Musica
Peça sua Música

  • Binha Morbeck
    Cidade: Jequié
    Música: acalma o meu coração
  • Emerson Moraes
    Cidade: IRAJUBA-BA
    Música: Amar como Jesus amor
  • Ane Gonçalves
    Cidade: Jequié
    Música: Chuva de graca
  • SILVIO CESAR PEREIRA SANTOS
    Cidade: JEQUIE
    Música: NINGUEM EXPLICA DEUS
  • niltonjunior
    Cidade: recife-pe
    Música: tu podes regis danese
  • niltonjunior
    Cidade: recife-pe
    Música: familia,regis danese
Publicidade Lateral
Chat dos Ouvintes

Digite seu NOME:


Estatísticas
Visitas: 78496 Usuários Online: 20


Brasil

Publicada em 01/10/17 as 07:11h - 50 visualizações
Padre envolvido em polêmica é excomungado da Igreja Católica
Comunicado da Diocese foi divulgado após desligamento pedido pelo padre. Sacerdote celebrou as últimas missas no domingo (28) em Bauru, SP

Na Graça Do Espirito


 (Foto: Na Graça Do Espirito)

A Diocese de Bauru (SP) divulgou no início da tarde desta segunda-feira (29) o comunicado no site oficial do órgão que coloca um ponto final na polêmica envolvendo o Padre Roberto Francisco Daniel, conhecido Padre Beto, e vídeos publicados pelo sacerdote na internet. Após o pedido de desligamento feito pelo próprio padre, a Diocese decidiu pela excomunhão do sacerdote.

De acordo com a nota, um padre perito em Direito Penal Canônico foi acionado para avaliar a situação e constatou, conforme esclarece a nota, que o "padre feriu a Igreja com suas declarações consideradas graves contra os dogmas da Fé Católica, contra a moral e pela deliberada recusa de obediência ao seu pastor (obediência esta que prometera no dia de sua ordenação sacerdotal), incorrendo, portanto, no gravíssimo delito de heresia e cisma cuja pena prescrita no cânone 1364, parágrafo primeiro do Código de Direito Canônico é a excomunhão anexa a estes delitos" (Confira abaixo a nota da Diocese na íntegra).

Durante coletiva no último sábado (27), Padre Beto comunicou a decisão de se desligar da Igreja e dos exercícios como sacerdote. A atitude foi tomada diante do pedido de retratação e retirada dos conteúdos publicados em redes sociais, onde o padre discute temas polêmicos como a relação entre pessoas do mesmo sexo, fidelidade, casamento e necessidade de mudanças na estrutura da Igreja. A carta com o pedido de desligamento foi entregue à Diocese na manhã desta segunda-feira, prazo dado pela Diocese para que o padre se retratasse.

Em entrevista ao G1, o padre disse que não se surpreendeu com a decisão da Diocese. "Eu esperava de tudo, até um arrependimento, uma volta atrás, mas, não criei nenhuma expectativa e para ser sincero não fiquei surpreendido com a decisão. Só posso dizer que dou Graças a Deus que não existe mais fogueira e fico tranquilo por estar do lado do ser humano, do desenvolvimento e da liberdade de expressão", declara. O padre disse que ainda não recebeu um comunicado oficial, mas, já estava sabendo da decisão da Diocese. "Eu pedi o meu desligamento e o que a Igreja definir a partir daí é uma decisão exclusivamente dela, mas, não vai afetar minha vida ou minha relação com Deus", completa.

A nota da Diocese afirma que o juiz instrutor convocado para cuidar do caso irá encaminhar a documentação necessária para Roma para oficializar a demissão clerical do padre. O comunicado ressalta as tentativas de diálogo com o sacerdote, que também foram citadas pelo Bispo Dom Frei Caetano Ferrari em entrevista ao G1. "Ele gostaria que eu como bispo o apoiasse, mas digo a ele 'Beto, coloque-se no seu lugar, quem te deu essa inspiração para uma missão profética de revolucionar a teologia, a doutrina e a moral da Igreja?', argumentou o bispo.

No domingo (28), um dia após anunciar o desligamento da Igreja Católica, o Padre Beto celebrou as duas últimas missas, que ficaram lotadas de fiéis, muito deles emocionados.

Confira a nota da Diocese na íntegra

Comunicado ao povo de Deus da Diocese de Bauru, 
É de conhecimento público os pronunciamentos e atitudes do Reverendo Pe. Roberto Francisco Daniel que, em nome da "liberdade de expressão" traiu o compromisso de fidelidade à Igreja a qual ele jurou servir no dia de sua ordenação sacerdotal. Estes atos provocaram forte escândalo e feriram a comunhão eclesial. Sua atitude é incompatível com as obrigações do estado sacerdotal que ele deveria amar, pois foi ele quem solicitou da Igreja a Graça da Ordenação. O Bispo Diocesano com a paciência e caridade de pastor, vem tentando há muito tempo diálogo para superar e resolver de modo fraterno e cristão esta situação. Esgotadas todas as iniciativas e tendo em vista o bem do Povo de Deus, o Bispo Diocesano convocou um padre canonista perito em Direito Penal Canônico, nomeando-o como juiz instrutor para tratar essa questão e aplicar a "Lei da Igreja", visto que o Pe. Roberto Francisco Daniel recusa qualquer diálogo e colaboração. Mesmo assim, o juiz tentou uma última vez um diálogo com o referido padre que reagiu agressivamente, na Cúria Diocesana, na qual ele recusou qualquer diálogo. Esta tentativa ocorreu na presença de 05 (cinco) membros do Conselho dos Presbíteros. O referido padre feriu a Igreja com suas declarações consideradas graves contra os dogmas da Fé Católica, contra a moral e pela deliberada recusa de obediência ao seu pastor (obediência esta que prometera no dia de sua ordenação sacerdotal), incorrendo, portanto, no gravíssimo delito de heresia e cisma cuja pena prescrita no cânone 1364, parágrafo primeiro do Código de Direito Canônico é a excomunhão anexa a estes delitos. Nesta grave pena o referido sacerdote incorreu de livre vontade como consequência de seus atos. A Igreja de Bauru se demonstrou Mãe Paciente quando, por diversas vezes, o chamou fraternalmente ao diálogo para a superação dessa situação por ele criada. Nenhum católico e muito menos um sacerdote pode-se valer do "direito de liberdade de expressão" para atacar a Fé, na qual foi batizado. Uma das obrigações do Bispo Diocesano é defender a Fé, a Doutrina e a Disciplina da Igreja e, por isso, comunicamos que o padre Roberto Francisco Daniel não pode mais celebrar nenhum ato de culto divino (sacramentos e sacramentais, nem mais receber a Santíssima Eucaristia), pois está excomungado. A partir dessa decisão, o juiz instrutor iniciará os procedimentos para a demissão do estado clerical para enviar a Roma o procedimento penal para sua "demissão de estado clerical". Com esta declaração, a Diocese de Bauru entende colocar "um ponto final" nessa dolorosa história. Rezemos para que o nosso Padroeiro Divino Espírito Santo, "que nos conduz", ilumine o Pe. Roberto Francisco Daniel para que tenha a coragem da humildade em reconhecer que não é o dono da verdade e se reconcilie com a Igreja, que é "Mãe e Mestra".

Bauru, 29 de abril de 2013.
Por especial mandado do Bispo Diocesano, assino os representantes do Conselho Presbiteral Diocesano.


Entenda o caso
Após declarações polêmicas acerca de temas como a homossexualidade, fidelidade e necessidade de mudanças na estrutura da Igreja Católica nas redes sociais que causaram um pedido de retratação por parte da Diocese de Bauru (SP), Roberto Francisco Daniel, conhecido como padre Beto, anunciou no sábado (27), que deixará de exercer suas funções como padre a partir de segunda-feira (29). (Veja o vídeo na íntegra)

Essa era a data limite para "confissão humilde de que errou quanto a sua intepretação e exposição da doutrina, da moral e dos bons costumes ensinados pela igreja", como exigia a nota assinada pelo Bispo Dom Caetano Ferrari na última terça-feira (23), que pedia a retratação e retirada do conteúdo, contrário aos dogmas da Igreja, publicados na internet. "Eu não tenho do que me redimir. Muito menos a quem ou do que pedir perdão de tudo aquilo que eu fiz e declarei nas redes sociais. Se refletir é um pecado, eu sou um pecador e sempre serei. Não vou negar ser uma pessoa reflexiva e uma pessoa que pensa", declarou o padre que, com sua decisão, deixa de celebrar casamentos, missas e outro rituais religiosos.

Na entrevista coletiva realizada na manhã de sábado, o sacerdote afirmou aos jornalistas que sua decisão foi tomada após várias reflexões, entre elas, a de não aceitar que seja possível seguir um modelo que não respeita a liberdade de reflexão e expressão por parte dos fiéis e membros do clero.

"Acho impossível seguir o evangelho de Jesus Cristo em uma instituição que, no momento, não respeita a liberdade de reflexão e de expressão. O modelo que nos temos que seguir se chama Jesus Cristo e esse modelo viveu plenamente essa liberdade e fez com que as pessoas refletissem", explica.

"Além disso, acredito que não é possível ser cristão em uma instituição que cria hipocrisia. Nós estamos em um momento em que a igreja faz questão de manter regras morais que são totalmente ultrapassadas para a nossa época e também em frente à ciência", diz o padre irá entregar a carta de pedido de afastamento para o bispo na segunda-feira. Ele também divulgou uma nota no seu perfil em uma rede social, onde explica a decisão para o seus mais de 2.500 seguidores.


Mariana Bonora Do G1 Bauru e Marília

Fonte:http://g1.globo.com




Deixe seu comentário!

ATENÇÃO: Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Parceiros

Web Radio na Graça do Espirito
Copyright (c) 2017 - Na Graça Do Espirito - Todos os direitos reservados