Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Buscar  



(73)999234166

Hora Certa
No Ar
Musical com Musica
Peça sua Música

  • Binha Morbeck
    Cidade: Jequié
    Música: acalma o meu coração
  • Emerson Moraes
    Cidade: IRAJUBA-BA
    Música: Amar como Jesus amor
  • Ane Gonçalves
    Cidade: Jequié
    Música: Chuva de graca
  • SILVIO CESAR PEREIRA SANTOS
    Cidade: JEQUIE
    Música: NINGUEM EXPLICA DEUS
  • niltonjunior
    Cidade: recife-pe
    Música: tu podes regis danese
  • niltonjunior
    Cidade: recife-pe
    Música: familia,regis danese
Publicidade Lateral
Chat dos Ouvintes

Digite seu NOME:


Estatísticas
Visitas: 78519 Usuários Online: 43


Brasil

Publicada em 07/12/17 as 09:15h - 36 visualizações
Catequese e apelo à paz na Terra Santa

Na Graça Do Espirito


 (Foto: Na Graça Do Espirito)
A catequese do Papa Francisco na Audiência Geral na manhã de hoje, foi dedicada à sua recente viagem apostólica a Mianmar e Bangladesh, entre os dias 25 de novembro e 2 de dezembro.

Como de costume, depois de cada viagem internacional, o Pontífice fez um balanço da visita apostólica a estes dois países da Ásia e revisou os momentos mais importantes.

Mianmar

"Nos rostos daqueles jovens vi o futuro da Ásia: um futuro que não será de quem constrói armas, mas de quem semeia fraternidade", disse o Papa ao falar do primeiro país que visitou.

Francisco recordou que esta foi a primeira vez que um Papa visitava Mianmar, algo possível graças "às relações diplomáticas estabelecidas entre este país e a Santa Sé".

"Quis expressar a proximidade de Cristo e da Igreja a um povo que sofreu por causa de conflitos e repressões, e que agora está lentamente caminhando rumo a uma nova condição de paz e liberdade".

O Papa também recordou que é um país no qual "a religião budista está fortemente enraizada, com seus princípios espirituais e éticos, os cristãos estão presentes como pequeno rebanho e fermento do Reino de Deus", os quais ele "confirmou na fé".

Francisco mencionou as duas Missas que presidiu em Mianmar. A primeira em Yangun, e a segunda dedicada aos jovens: "um sinal de esperança e um presente especial da Virgem Maria, na catedral dedicada a ela".

Além disso, contou que naquele dia abençoou as primeiras pedras das 16 igrejas, do seminário e da nunciatura.

Também destacou a importância das suas reuniões com as autoridades políticas do país para "os esforços de pacificação e auspiciando que todos os membros da nação, ninguém excluído, possam cooperar neste processo no respeito recíproco".

Sobre o seu encontro com comunidades religiosas, manifestou "a confiança de que cristãos e budistas possam juntos ajudar as pessoas a amar Deus e o próximo, rejeitando toda violência e opondo-se ao mal com o bem".

Bangladesh

Depois de Mianmar, ele viajou a Bangladesh, cujo país tem uma população maiormente muçulmana, de modo que a sua visita "marcou um passo ulterior em favor do respeito e do diálogo entre o cristianismo e o islamismo".

Francisco expressou em particular "a solidariedade ao país em seu empenho em socorrer os refugiados rohingya, que confluíram em massa ao território bengalês, onde a densidade da população já é uma das mais altas do mundo".

O Bispo de Roma também mencionou a missa em Daca, na qual ordenou 16 sacerdotes, "um dos eventos mais significativos e alegres durante a sua viagem".

Por outro lado, "incentivaram os bispos do país no seu trabalho generoso pelas famílias, pelos pobres, pela educação, o diálogo e a paz social".

"Em Daca, vivemos um grande momento de diálogo inter-religioso e ecumênico no qual sublinhei a importância da abertura do coração como base para a cultura do encontro, da harmonia e da paz".

Além disso, mencionou a sua visita à Casa Madre Teresa das Missionárias da Caridade, "onde a santa permaneceu quando estava em Daca e que acolhe inúmeros órfãos e pessoas com deficiência. Onde as irmãs vivem todos os dias a oração de adoração e o serviço a Cristo pobre e que sofre".

Finalmente, o encontro com jovens "rico de testemunhos, cantos e danças". "Uma celebração que manifestou a alegria do evangelho acolhido por essa cultura; uma alegria fecundada pelos sacrifícios de tantos missionários, de tantos catequistas e sacerdotes cristãos".

***

A situação que se vive na Terra Santa durante os últimos dias, fez com que o Papa Francisco fizesse um novo apelo à paz e ao respeito à Cidade Santa de Jerusalém.

"Não posso silenciar a minha profunda preocupação pela situação que se criou nos últimos dias e, ao mesmo tempo, dirigir um forte apelo para que seja compromisso de todos respeitarem o status quo da cidade, em conformidade com as pertinentes Resoluções das Nações Unidas", disse o Pontífice no final da Audiência Geral.

O Pontífice também assinalou que "Jerusalém é uma cidade única, sagrada para os judeus, os cristãos e os muçulmanos, que nela veneram os Locais Santos das respectivas religiões, e tem uma vocação especial à paz".

"Peço ao Senhor que esta identidade seja preservada e reforçada em benefício da Terra Santa, do Oriente Médio e do mundo inteiro e que prevaleçam sabedoria e prudência, para evitar acrescentar novos elementos de tensão num panorama mundial já turbulento e marcado por inúmeros e conflitos cruéis".

Uma nova crise em Israel teve início nos últimos dias devido ao projeto do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que manifestou o desejo de transladar a embaixada do seu país de Tel Aviv a Jerusalém. Isso implica o reconhecimento americano da Cidade Santa como capital de Israel, o qual provoca grandes controvérsias.

O estatuto de Jerusalém é um tema fundamental no conflito entre Israel e Palestina, e ambos os lados reivindicam a cidade como sua capital.

Em outubro deste ano, o Papa Francisco defendeu o status quo de Jerusalém e afirmou que é uma "cidade santa onde todos devem poder viver em paz".

Durante anos, os presidentes americanos deixaram a sede diplomática em Tel Aviv, como a maioria das nações do mundo, e não quiseram translada-la a Jerusalém.

A palestina e grande parte do mundo árabe e muçulmano não aceita que seja capital israelense porque, além do tema territorial que está sendo disputado, em Jerusalém também está o terceiro lugar mais sagrado do Islã, a Mesquita Al Aqsa.


Por Redação, com ACI Digital

Fonte:http://noticiascatolicas.com.br




Deixe seu comentário!

ATENÇÃO: Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Parceiros

Web Radio na Graça do Espirito
Copyright (c) 2017 - Na Graça Do Espirito - Todos os direitos reservados